SEJA BEM VINDO

Nada nesse mundo se compara ao AMOR de DEUS por nós, mesmo antes que viessemos ao mundo Ele já nos conhecia, e em seu imenso AMOR derramou seu sangue INOCENTE, por VOCÊ e por MIM.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

O pai do filho pródigo
A parábola do filho pródigo (Lc 15) é um dos textos mais comoventes e edificantes da bíblia. No conflito do filho pródigo com seu irmão temos o retrato do nosso dilema entre a aventura e a fidelidade a Deus. Na cena do filho pródigo que passa fome, temos o retrato da nossa miséria quando afastados de Deus. E no abraço acolhedor que o pai dá, no filho que volta pra casa, temos a mensagem do amor incondicional de Deus.É curioso que Jesus associe o amor incondicional de Deus à figura do pai. Não seria melhor uma mãe? Não é ela que geralmente está associada à saudade, a braços abertos e ao perdão? Jesus provoca e quer desinstalar as idéias que se têm de paternidade e de Deus.A parábola ensina uma nova imagem de Deus. A experiência de fé de Jesus permitiu que Ele chamasse Deus de Pai, tirando de Deus aquele ar austero e distante. Pode-se até dizer que o cristianismo nasce dessa experiência de poder chamar Deus de Pai. O Deus de Jesus e dos cristãos é um pai amoroso; que disciplina, mas ama o perdão.A parábola também ensina e provoca uma nova imagem de pai, alicerçada no perdão, no amor incondicional e no abraço. Esse pai zela pela disciplina na educação dos filhos, mas não a confunde com agressividade ou violência. Coloca limites necessários, mas não os confunde com restrição da liberdade. É um pai que às vezes se fecha e diz não, mas que também arrisca, confia, abre os braços e solta o filho.É grande e bela a tarefa da paternidade, pois está associada à imagem de Deus. Ter boa imagem do pai colabora para que se tenha uma bela imagem de Deus. Se o filho pródigo tivesse medo do pai, como poderia voltar para casa e pedir perdão? Se o fiel tem medo de Deus, como terá coragem de pedir perdão?Então, que tal um abraço? Quando o seu filho ou sua filha chegar em casa, tenha ele cinco ou 50 anos, abra os braços, coloque as mãos na sua cabeça e diga: Deus te abençoe, meu filho! A bíblia diz que esse gesto produz festa no céu! É isso que ensina essa parábola do filho pródigo e do pai amoroso.
Postado por José Carlos Batista às 11:32

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...